segunda-feira, 14 de julho de 2014

O Mamão

                    MARIANO, nosso seminarista - Honra e Glória - e Orgulho! - da família Loura chegaria em breve, feito padre. Meu pai, dias antes, reunira o filhos e lhes passara as recomendações:

            - Mariano vai chegar já feito padre. Será um ministro da Igreja; por isso vocês têm de passar a tratá-lo com respeito. Nada mais de 'Rano pra cá, 'Rano pra lá, como se ele ainda fosse da iguala de vocês.

            Sança, por ser a mais "despachada" da família, ensaiou protestar, dizendo que ele sempre fora chamado de 'Rano, sendo imediatamente silenciada.

            Era ela a irmã do "paparotes" do seminarista. Em suas férias, ficavam feito unha e carne. Sança lhe fazia todas as vontades: aparava-lhe as unhas com a velha tesoura da marca mundial; banhava-lhe os pés quando ele chegava cansado das viagens de recolhimento das pias esmolas da comunidade; calçava-lhe os chinelos; preparava-lhe água para o banho todos os dias. Quando o velho não trazia água nas ancoretas, ela, rodilha na cabeça, ia buscá-la no Toco, no Brejinho e até no Cercado Velho para que seu querido irmãozinho não ficasse sem o asseio corporal diário, coisa a que nós outros só fazíamos jus uma vez por semana.

            - Ele é granfino, tem jeito de praceante; por isso tem de andar cheiroso - justificava-se quando algum dos irmãos falava de seu puxa-saquismo.

            À resposta do velho de que até Sança teria de se submeter às novas regras, Mané Loura, já casado, pai de filhos, no seu jeito tímido, ousou indagar:

            - Até eu, o irmão mais velho, tenho de seguir também essas ordens?

            - Até eu - retorquiu o velho - até eu, que sou o pai.

            Bió, também casado, mas sempre rebelde, ensaiou uma contraofensiva, quedando-se calado diante de um simples olhar do orgulhoso pai, que perorou:

            - Vocês não podem imaginar o orgulho que estou sentido; imaginem a alegria da mãe de vocês, se estivesse viva!

            Assunto encerrado. Todos os irmãos e demais parentes passariam a chamá-lo: Padre Mariano! Seu Loura, porém, criou dois títulos para o novel ministro de Deus: "mestre" e "coronel", passando a usá-los de acordo com a ocasião. Assim, o seminarista 'Rano passava a ser Padre Mariano, com todo respeito!

            Pois é, o seminarista 'Rano estava chegando! Ordenado padre, agora teria tratamento especial. Lá em casa, desde muitos anos, tudo de bom era pra ele. Meu pai, sempre que se aproximavam suas férias, cuidava de economizar algum dinheiro para melhorar a misérrima despensa de casa, suprindo-a de um-tudo. Potes de doce de ovos, compotas de doce de leite, latas de doce de bananada e goiabada, galinhas engordando no chiqueiro, queijo, mel de abelha guardado do tempo do inverno, e até boas carnes de gado... de primeira! Para a família, era apenas um quilinho por semana, e sempre de segunda.

            O almoço do seminarista era verdadeiro regabofe. Tudo do bom e do melhor. Pra ele, refeições em separado, temperadas com manteiga da terra e até condimentos especiais: cominho, pimenta do reino etc. Pra nós outros, o feijão com arroz... escoteiro. Ou seja: de água no sal e meia colher de azeite de coco ou, se ainda houvesse toucinho, um naco dessa gordura animal, sobra da matança anual do porco ensebado de gordo, ali pelo mês de outubro. Nessa ocasião, a gente se fartava de carne suína. Pois carne de gado a gente só comia uma vez por semana, pra ser feliz.

            Final de novembro de 1951. Ordenação acontecendo no Recife e o novo levita do senhor chegando a dois de dezembro. Nessa oportunidade, o velho caprichara nos suprimentos alimentícios. Numa terra de poucas - ou nenhumas - frutas, não é que ele as conseguira? Não posso atinar onde e com quem ele arranjara bananas, laranjas, cajus, tangerinas, mangas, mamões para encher a fruteira... aliás, dois alguidares, que lá em casa não havia fruteira.

            Ah, mamão!

            Por causa de um mamão, devo ao Padre Mariano (ou não será ele que deve a mim?) uma das maiores sovas que já levei. Eu mal havia completado sete anos; posso antes ter levado outras, mas essa é a primeira de que tenho lembrança. Terrível lembrança, aliás.

            Belo mamão! Fora presente de dona Fina, mulher de Pedim, casal residente nos Cocos. Eu estava junto quando meu pai foi pagar a fruta de extraordinária aparência: grande, amarela, riscos de faca ao comprido, à feição de meridianos, para que o leite pudesse sair, fundilho e encimo bem aparados...

            - Que é isto, seu Loura! Acha que vou cobrar por um mamão pra regalo de nosso padre Mariano?

            - Assim a dona me deixa sem jeito.

            - Que nada! Será sempre um prazer.

            - É que não é só esta vez; vou precisar de outras, já que ele vai passar dois meses lá em casa, de férias - informou o velho, o orgulho alisando os beiços.

            - Já disse: para o Padre...

            E o velho trouxe o belo mamão como se fora uma jóia rara. Para que os ratos não lhe dessem conta, ele o enterrou fundo na farinha, então guardada em um grande caixão, no quarto velho. Também ali eram guardadas - e bem enterradas - as rapaduras com vista a escaparem dos afiados dentes das ratazanas. Alguém há de contrapor que é muito fácil a um rato cavoucar a farinha e encontrar o repasto. Acontece que em sua procura ele não usa apenas as patinhas, mas também o focinho. E nessa demanda poderá engolir, mesmo que acidentalmente, alimento não deglutível. No caso, farinha. Rato é bicho tinhoso, sabe que se engolir farinha seca morrerá engasgado.

            Família pobre, em nossa casa não tinha essa de merenda, não. Eram somente as três refeições - limpas e secas: café, almoço e janta. Não obstante possuirmos goma de safra, só ocasionalmente o velho consentia que se fizessem um ou dois beijus para degustação na hora do cafezinho das três da tarde; este, sim: tradicional. A janta era coalhada - invariavelmente. Vale lembrar, porém, que rapadura era praticamente a única merenda de que dispúnhamos à vontade. Neste caso, seu Loura abria as burras: comprava três ou quatro a cada feira.

            Fato é que na manhã do dia 30 de novembro, antevéspera da chegada do Padre, bateu-me uma vontade danada de matar a fome com um pedaço de rapadura. Ao caquear na farinha, o que os meus dedos ávidos encontram? O mamão!

            E que mamão!

            Rápido, corro à cozinha, tomo de uma colher daquelas de "flande" amarelo, furo-lhe o fundo com muito jeito. E o vou comendo, saboreando em verdadeiro gozo gastronômico, enquanto vou cuspindo os caroços, sempre amargos. Quando acabei de raspá-lo, o "bicho" mocou, murchou: fuuuuuu! Só então me dei conta de que aquela "preciosidade" era pra 'Rano, aliás, para o Padre Mariano, que chegaria no dia seguinte.

            Pois não é que devorara o mamão todinho?! Bem sabia que era pra ele, posto que vira João Mariano recebê-lo das mãos dadivosas de dona Fina, como presente. A sova seria inevitável. E pensei: o que tá feito, tá feito; seja o que Deus quiser.

            Soprei-lhe no buraco que eu mesmo havia feito no fundo e o "bicho" encheu feito bexiga de porco quando a gente sopra para fazer bola. Ao tentar enterrá-lo, esvaziou-se: fuuuuuu, de novo. Ainda estava na luta de tentar enterrá-lo, mas, então, escutei a fala de seu Loura chegando do Viroveu. Não contei conversa. Saí porta a fora e busquei subir no trapiá de Manoel de Domingas, 100m adiante, na descida da porteira do curral.

            Seu Loura era macaco velho. Ao me ver em desabalada carreira, pensou: "Aí tem coisa!" Foi direto ao caixão de farinha. Do belo mamão só havia o fole murcho da casca. Sem contar conversa, correu atrás do faltoso. Agarrou-me pela perna, quando eu já ganhava um dos muitos galhos do frondoso trapiá.
            Nem cocorote, nem palmada, nem palmatória, nem cinturão... Talvez só taca de tanger gado doeria mais que cipó de bananinha descascado. Foram apenas cinco "lamboradas"; sem conversa. O mijo me desceu na perna. E olha que eu era o caçula e mimado, que ia estudar pra ser doutor...

OBS: 'Rano é, corruptela de "Mariano", pronunciado com "r" brando, como o "r" de cara, por exemplo.
 


Para inserir um comentário, vá abaixo na palavra "comentários", e deixe sua opinião.

7 comentários:

  1. Gostei muito da crônica. Não gostei da sova, é óbvio. Ainda bem que esta moda já se foi e não deixa saudade.

    ResponderExcluir

















  2. Me vi em alguns pontos dessa crônica. As histórias sobre família são muito tocantes, íntimas e algumas bastante comuns, principalmente quando são experiências de infância narradas revelando um adulto sobre a criança que foi um dia. Parabéns, gostei muito!



    ResponderExcluir
  3. Parabéns pela crônica .. sorri e me senti em parte dela...saudosa lembrança da casa dos meus avós, em especial do caixão de madeira onde ficavam guardadas as delícias que minha avó preparava...E o mamão? Lembro de uma travessura parecida que pratiquei quando criança.. só que na minha história o mamão dava lugar a uma lata de leite condensado ( o chamado Leite Moça) e quando minha mãe foi pegá-la para fazer um bolo para umas visitas estava vazia! Eu havia feito um furinho e me deliciado com aquela "gostosura"...

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela crônica, ela ficou fantástica!


    L.R.



    ResponderExcluir
  5. MOACYR FRANCO CANTA UMA CANÇÃO CHAMADA: BRAVO! DIZ ASSIM: "QUANDO O ARTISTA OUVE "BRAVO!", SEUS OLHOS BRILHAM DE GRATIDÃO... PELA MULTIDÃO QUE ESTÁ APLAUDINDO". GRATIDÃO MAIOR NÃO PODE HAVER PARA O ESCRITOR QUE OUVIR DE ALGUÉM OU LER QUE ALGUM LEITOR ESCREVEU: "ME VI EM ALGUNS PONTOS DESSA CRÔNICA"; OU "ME SENTI PARTE DELA"; OU AINDA INTEIRAR-SE DAS MANIFESTAÇÕES DE APREÇO E PARABÉNS.
    MEU EGO SE ENCHE DE SATISFAÇÃO POR SUAS MANIFESTAÇÕES, AMIGOS VISITANTES.
    MUITO OBRIGADO!
    JOÃO BOSCO

    ResponderExcluir
  6. o povo de francisco santos gostaria de ver uma super matéria parabnizando EDSON E LI]UIZ JOSE´POR SEREM OS MELHORES PREFEITOS DA CIDADE POIS DEPOIS QUE ENTRAM MUITAS OBRAS FORAM FEITAS A CIDADE ESTA FICANDO LINDA COM A CARA DO 14 ADOGOOOOOOOOO.

    ResponderExcluir
  7. Denise Barros Costa27 de julho de 2014 13:22

    Que linda .É tão rica nos detalhes que chega-se a imaginar a cena real.Acontecimentos do cotidiano transformados com muita perfeição em uma crônica tão profunda,tanto em relação ao significado que representa na vida de quem vivenciou ,quanto nas de quem encontra-se ao lê-la.

    ResponderExcluir